domingo, 26 de fevereiro de 2012

A menina que não sabia nadar

Amarrado a cada membro
Pelas minhas algemas de medo
Selado com mentiras pelas tantas lágrimas
Perdido por dentro, perseguindo o fim
Eu luto pela chance de ser enganado de novo


(Lies - Evanescence)
A água fria faz o favor de mandar mensagens, através do meu sistema nervoso, para informar a mim mesma que estou viva. Afundo minhas pernas, minha cintura, peito, braços e cabeça numa piscina suja de desilusões. O som se propaga com dificuldade dentro d'água, mas consigo ouvir os gritos sufocados e as vozes me dizendo o que eu devo fazer, vestir e falar. Ouço um choro e só depois percebo que é o meu. Ele está ali, solitário no fundo do oceano feito da minha alma. Meus braços e pernas querem se mover com brutalidade num mar que agora não mais me abraça; agora me mata lentamente enquanto vejo minhas esperanças se esvaindo nas profundezas da humanidade.Quero sair daqui. Quero correr e beijar o restante do mundo que vive bem, que não conta moedas todos os dias, que não engole as palavras estridentes que saem no momento de terror.
Afogo-me, na esperança de que tudo vai passar assim que meus pulmões se encherem de água. Mas só sinto dor, e ele só se enche de maldade, cheiro de esgoto, vingança e amargura. Rio numa risada gelada, e encho-me de todo o vazio humano, de toda a podridão de emoções superficiais sentidas por todos nós. Vivemos menos a cada dia que passa, e mesmo assim pisamos no calo uns dos outros, cuspimos os defeitos uns dos outros. Tratamos mal nossos semelhantes. Tratamos mal aqueles que amamos. Somos o espelho daquilo que mais odiamos.
Então, em meio ao espasmo e ao ganido de dor, abro meus olhos. Cuspo um sangue com um cheiro ácido, e finalmente constato que não sei nadar. Na verdade, nunca nem aprendi. Apenas tentei provar a mim mesma que poderia ser capaz de viver no meio desse oceano de gente sem saber nadar. E a última fagulha de humanidade que existia em mim se afoga.

11 comentários:

  1. Fehzona góstek.
    Gostei do texto, Fehzona. Engraçado que dá pra imaginar tudo isso, até parei e me perguntei "ué, ela n sabe nadar? Vou sacanear RSRSRS,,,", depois terminei de ler tudo.
    Você narrou o que eu estou vivendo, maldade, vingança e amargura. Às vezes a vida nos joga numa piscina sem fim de tudo isso, mas a luta pelo oxigênio, pela sobrevivência é do nosso ser.
    É difícil comentar sobre teus textos, são tão incomentaveis, porque é algo pessoal até demais. Narrar sobre o seu dia-a-dia, fazer post de esmaltes é fácil, mas poder interagir com algo tão profundo e pessoal, he-he-he.

    Qualquer coisa que TU ESTEJAS passando, sabe que tem o meu ombro. Vomita esse lixo humano, tampa o nariz pro cheiro do esgoto e tudo mais, ninguém merece viver assim, é ruim. Sou hipócrita de te dar esses comentários, mas quem eu puder ajudar, me ajuda junto. Sou de todasssss.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Típica enrolação para dizer que não estás conseguindo se encaixar no mundo, asuhsausasa, brincadeira. Gostei da associação entre os dois elementos

    ResponderExcluir
  3. Aloha!

    O sistema de comentários do blogger tá com problema, ele não carrega a página...

    Passei esse pesadelo quando comecei a ficar de saco cheio de natação. Era muita exigência e expectativa, fora ter que lavar cabelo toda hora ¬¬'

    ***

    Eu consegui me vingar. Espero que tenham aprendido a lição...
    ksopakspokaposk

    Aloha!

    ResponderExcluir
  4. E por mais que tentamos ser pessoas melhores...'Somos os espelho daquilo que mais odiamos.' É exatamente isso, por mais que eu veja a (falta de)humanidade no mundo que vivemos, não consigo mergulhar nesse oceano.
    Enfim, escreves muito, mas muito bem mesmo! E que bom que gostou do meu post ><
    Achei seu blog o cúmulo de lindo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olha, eu também não confio em comprar fora do Brasil justamente por isso.
    Mas as vezes a tentação é tão grande >.<
    Mais uma vez, parabéns pelo belíssimo texto.

    ResponderExcluir
  6. É complicado vivermos no meio de uma sociedad que exige tudo de nós, que vira os olhos para o lado quando vê algo que não lhe agrada ou que aniquila quando alguém tenta ser verdadeiro.

    Acho que todos nos afogamos um bocadinho a cada dia quando somos obrigada aquela pessoa detestável ou a sorrir quando o que queremos é chorar ou bater em alguém ou a fingir que está tudo bem mesmo quando sentimos o coraçao a partir-se em mil pedaços.

    A minha parte favorita: "Vivemos menos a cada dia que passa, e mesmo assim pisamos no calo uns dos outros, cuspimos os defeitos uns dos outros. Tratamos mal nossos semelhantes. Tratamos mal aqueles que amamos. Somos o espelho daquilo que mais odiamos." (Tão verdadeiro! *---*)

    ResponderExcluir
  7. Ui, que angústia. Tinha um tempo em que eu sentia como se estivesse me afogando a cada dia. Afundando mais um pouco em algo que na realidade parece um vazio. Sei lá, a vida pode ser piscina rasa ou mar aberto, mas se você não sabe nadar ou se livrar dos tubarões...
    Olha, to muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito feliz com a sua volta. Eu já disse que to muuuuuuuuuuuuuuuuuuito feliz mesmo?

    ResponderExcluir
  8. Eu também não sem nadar -n Só que no sentido literal.
    Brincadeira.
    Carambas, você escreve muito bem! Eu sempre sou suspeita para comentar textos mais poéticos. Sou muito otimista.
    Eu só acho que apesar de tudo, sempre tem alguma coisa para jogar uma bóia para nós, e não nos deixar afogar. Você só tem que procurar essas coisas em especial.

    Mas, de qualquer forma, obrigada pela visita! Volterei sempre que puder.
    Abraço °w°

    ResponderExcluir
  9. Se fazer natação não está te fazendo bem, é melhor você parar de fazer antes que se afogue, né?

    Bjuxxx

    ResponderExcluir
  10. Acho que aconteceria algo assim comigo se eu fosse para um lado muito fundo do mar/piscina ç_ç Saber que isso pode acontecer comigo é muito angustiante... Seu texto foi tão realista, sie lá, você já se afogou alguma vez?

    Beijos,

    ResponderExcluir
  11. Antes de tudo: teu blog consegue superar o meu em receber comentários sem noção, hein? ahushuahuhus
    Enfim...
    Já dizia Nietzsche, que quando tu olhas fixamente pro abismo, ele também te olha de volta. Mas mergulhar dentro de si também é necessário pois precisamos primeiro nos perder pra depois nos encontrarmos. Às vezes a gente precisa cair e se machucar muito, sofrer muito, pra encontrar a verdade e a força. Lembra que o peso que te empurrou pra baixo também te desafiou a levantar.

    :** bee!

    ResponderExcluir